Pesquisar

pt br  en us

 

capes horizontal   

Cnpq

        

periodicos2

 

logo faperj cor

 

Natasha PutaDeiCampinas ed

                                    Evento PutaDei em Campinas (Foto presente no trabalho de Diana Helene Ramos)

 

No ano de 1960, o poder público de Campinas definiu a "Zona" da cidade, com o objetivo de concentrar numa área periférica todas as atividades ligadas à prostituição na cidade, garantindo seu zoneamento fora do espaço urbano consolidado. Essa "invenção" é o ponto de partida da pesquisa "Preta, pobre e puta: a segregação urbana da prostituição em Campinas", de Diana Helene Ramos, vencedora do Prêmio Capes de Tese 2016 na área de PUR/Demografia.

 

O trabalho de Diana Helene Ramos contou com a orientação da Profa. Dra. Soraya Silveira Simões e da Profa. Dra. Ana Clara Torres Ribeiro (in memoriam). E representa mais um resultado importante do Observatório da Prostituição, vinculado ao IPPUR/UFRJ.

 

PUTA TEM DIREITO À CIDADE?

 

De acordo com a pesquisadora, o interesse pelo objeto de estudo da tese surgiu devido à uma peculiaridade dessa Zona: ela foi criada estrategicamente no final dos anos 1960 pelo poder público, com o objetivo de concentrar numa área periférica todas as atividades ligadas à prostituição na cidade, garantindo seu zoneamento fora do espaço urbano consolidado.

 

"Nesse sentido, ao analisar a cidade de Campinas, no interior do estado de São Paulo, procuro entender sua história a partir da segregação urbana da prostituição - a saber, a 'invenção' de uma área confinada para as atividades prostitucionais chamada Jardim Itatinga - como uma forma de organização da cidade que se articula com diversas demarcações de desvio, estigma e impureza", explica Diana Helene Ramos.

 

"Essa política de segregação resultou na perseguição das prostitutas que, contudo, persistem trabalhando fora dali. Entre suas estratégias de proteção e permanência, a mais expressiva é a fundação da Associação Mulheres Guerreiras, localizada no centro da cidade", descreve.

A tese examina, portanto, as tensões, os conflitos, as táticas e as estratégias de um grupo social historicamente estigmatizado e com forte presença em áreas urbanas centrais, face às intervenções do planejamento urbano.

 

Sua circulação nos diferentes locais de prostituição em Campinas, suas estratégias para o estabelecimento de “pontos” de permanência em espaços não planejados oficialmente para sua presença, suas redes e articulações com outros pares “desviantes” e, principalmente, suas táticas de resistência à expulsão e luta por reconhecimento são objetos de atenção.

 

De acordo com Diana Helene Ramos, a ideia do trabalho foi compreender como se estrutura, nos espaços físicos e políticos da cidade essa disputa particular – "marcada por recortes de classe, de raça e especialmente de gênero – que tem a prostituição como foco de interesse. Tentei, por fim, possibilitar o vislumbramento de uma organização urbana generificada que se justifica em discursos ora sanitários, ora econômicos, ora morais e cuja história registra a constante tensão entre o planejamento urbano oficial e os habitantes da cidade, com suas reivindicações pelo direito a nela existirem", argumenta a pesquisadora.

 

A tese de Diana Helene Ramos está disponível na Base Minerva da Biblioteca IPPUR.

 

Acesse no link abaixo:

 HELENE, Diana. “PRETA, POBRE E PUTA”: a segregação urbana da prostituição em Campinas – Jardim Itatinga. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Rio de janeiro, 2015. Tese ganhadora do Prêmio Capes de Tese 2016 da área de PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA

UFRJ IPPUR - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ